vento solar e estrelas do mar
início mensagem Submit Textos  (carpe vitam)  Theme

افتح فمك فقط إن كان ما ستقوله أجمل من الصمت
open your mouth only if what you are going to say is more beautiful than silence

c. calado, 21


Friday, 19 Sep, 2014
10 notes
Reblogar

Crescer para quê?

Quando eu era criança, eu sonhava em logo ser adulto. O motivo pra isto eu realmente não lembro e é até bom mesmo que eu não lembre. Mas era o que eu queria. Posso dizer então que estou realizado? Não, não posso.

- Mas por quê? - poderiam me perguntar.

A gente cresce e é obrigado a trocar as lentes com as quais enxergamos o mundo à nossa volta. Nosso grau “aumenta”. Precisamos agora de uma lente para enxergar o que tá longe, mas com isso, a gente perde a capacidade de enxergar o que tá parado meio palmo em frente à ponta do nosso nariz. O mundo exige isso de nós. A gente vai crescendo e sendo jogado dentro desse furacão de obrigações, barba pra fazer, contas a pagar, dor nas costas, pneus furados, batidas no para-choque do carro…

Somos uma geração que tá pagando um alto preço em virtude de tanto avanço. Nenhum de nós foi preparado pra isso. Com vinte e poucos anos você já deveria estar casado, com filhos, com um bom emprego, fazendo a segunda faculdade, falando mandarim, pilotando lanchas e falando em dois smartphones ao mesmo tempo.

- Fale-me sobre você.
- Bom, meu nome é Victor e eu trabalho no…
- Não, cara! Fale de você! Quem é você?
- Ah, tá! Bom, meu nome é Victor e eu trabalho no…
- Não o que você faz! Diga-me quem é o Victor! 
- …

Alguém me arruma um remédio pra essa dor nas costas, por favor.

Victor Pontes

Tuesday, 16 Sep, 2014
106 notes
Reblogar

Anotações de Francis Ford Coppola no livro “O Poderoso Chefão”, de Mario Puzo. 

(HIT HARD AND BLOODY!!)

Tuesday, 16 Sep, 2014
13 notes
Reblogar
Anotações de Francis Ford Coppola no livro “O Poderoso Chefão”, de Mario Puzo. 
(HIT HARD AND BLOODY!!)
Tuesday, 16 Sep, 2014
46 notes
Reblogar
"Mantinha a espinha ereta.
Não era o que eu queria, mas o que eu precisava.
Como doem os maus-hábitos depois dos anos, entende?
Emplastros.
Eu abria a capa de um cd e deixava o aparelho engolir o disco.
Um álbum de 1994, roubado da estante de Pablo.
A espinha ereta.
Eu queria era contemplar constelações
ou assistir os documentários de Carl Sagan,
tentar aprimorar os dós do violino sem a espaleira
(maldita espaleira)
ou desenhar a minha percepção da vida em folhas pautadas para notas.
Mas eu necessitava manter a espinha ereta.
Então, deitava no chão azulejado,
um travesseiro oriental de madeira sob o pescoço,
e escutava todas aquelas histórias psicodélicas -
furtadas de Pablo.
Traduzia as frases de olhos fechados,
falavam sobre cocaína e plutão.
Mentalmente, anotava
“só senti o mundo girar uma vez,
só enxerguei a curvatura da terra uma noite,
só contei 9 cometas”
sempre as minhas memórias e saudade,
sempre as mesmas palavras.
Em que idade a gente passa a ter coragem de assumir as coisas verdadeiras?
As indubitavelmente verdadeiras?
Não há nada mais interior e claustrofóbico do que o rock progressivo -
exceto os braços de Pablo, quando choro.
É triste.
Saudoso.
E não sinto nem mesmo os meus braços nas noites de terça-feiras, quanto mais os de Pablo."

— C.

violetaviolenta:

Une Femme Mariée, 1964

Tuesday, 16 Sep, 2014
via violetaviolenta
fonte cafeeliteratura
350 notes
Reblogar
violetaviolenta:

Une Femme Mariée, 1964
Tuesday, 16 Sep, 2014
via spsom
fonte spsom
124 notes
Reblogar
"Aqui temos um ponto importante: nossa existência é grande demais para caber num corpo apenas, não importa seu tamanho. Sua vida está aí, espalhada ao seu redor, impregnada em tudo que você já tocou, pisou, amou, odiou. Por isso é tão difícil se livrar do que incomoda. Enjaular um sentimento dentro de você não adianta de nada se ele está também do lado de fora, se insinuando em várias formas, materiais ou não. É só olhar com um pouco mais de atenção à sua volta para ver que as causas de sua ansiedade estão chamando sua atenção, com luz estroboscópica e trio elétrico, em cada pessoa, em cada objeto."

— Trecho de Tudo que Inexiste

Monday, 15 Sep, 2014
3 notes
Reblogar
Protesto e as pretas.

Se você for de SP, vai rolar amanhã. Repassa pros amigos (boca a boca mesmo).

Sunday, 14 Sep, 2014
15 notes
Reblogar

(Anotação Pessoal)

Quando você brinca assim com os olhos e engrossa a voz, ele diz, sendo cômica e transparente, quase irônica, me faz pensar no purgatório de Mahler. Aquela acidez tocante. Nem Deus entenderia tuas dez maneiras de ser intensa e vibrante, entre uma ou outra sinfonia, garota. Eu acho que você ri muito quando chega em casa, depois de ser grossa e bater um copo na mesa do bar, cortando o barato dos meus amigos. Eu acho, realmente, que você gargalha. O que, estranhamente, é uma coisa linda de se pensar.

Sunday, 14 Sep, 2014
via ponto-do-eixo
fonte maudelynn
29,242 notes
Reblogar
Sunday, 14 Sep, 2014
via levvvv
fonte objetomediocre
57 notes
Reblogar
Será talvez

Assim ficamos nós à noite:

Eu
a me lembrar do teu abraço
do teu cheiro e do quanto fico grato
quando tu me apareces vestida apenas por um traço

de riso
e apaga em silêncio

a luz do quarto.
.
Assim ficamos nós à noite
tu
que esqueces o passar das horas
que me arreganha a perna
que me sorri tão devagar.
A senhora
mãe de todos os deuses
que neste castanho dos teus olhos mora

é onde eu também quero morar.
.
Assim ficamos nós à noite
quando a saudade vira verso
e tu te viras e te vais embora.
.
Antes fosse um devaneio
uma loucura
um tufão!
Enganar o coração
na hora mais escura
Mas hoje à noite teu riso veio
encantar-me com a doçura
dos teus olhos de cereja
da tua pele de framboesa
do toque da tua mão..

Assim ficamos nós à noite:
adormecidos.
Estou a sonhar com os esquecidos
pássaros que cortaram o azul
do céu sem darem-se conta

do preço árduo da imensidão.
Não embriaguei-me.
Não utilizei-me de drogas lícitas ou ilícitas, dediquei-me
somente ao nascer do teu sorriso.
E feito a canção que um dia no paraíso

do teu colo e do teu beijo pude ouvir
- Eu só sei que amei
que amei
e que amei.
.
Heitor Henrique

Sunday, 14 Sep, 2014
1 note
sonhetos: Você vale cada palavra de amor. Vale cada boa ação, vale cada sorriso, cada lágrima de alegria. Você vale os raios do sol e do ar quente, que valem a alegria e o riso. Você vale tudo de bom e bonito. Dê a todos e a qualquer um essa mensagem, vá para blogs aleatórios, alguém que você nem sabe, estique o seu limite de asks, anônimo ou não, diga-lhes que vale a pena. Porque o mundo precisa de mais amor.

ah, que gentileza. obrigada!

Sunday, 14 Sep, 2014
0 notes
Anonymous: Essa música é relaxante.

um girassol da cor de seu cabelo?

Sunday, 14 Sep, 2014
1 note
Reblogar

só eu, só, ilumino o meu penar

Sunday, 14 Sep, 2014
28 notes
Reblogar
"O plano era deitar antes das 23h.
Mas fiz uma xícara de chá.
Capim-santo, aquelas folhas de quintais de avós que, sem cuidado, cortam-nos os dedos. O meu era um sachê, mas, descuidada, cortou-me - cortou-me o cheiro. Bem fundo, rente à memória. O cheiro. Ás das lembranças.
Quando adolescente, estudava em um colégio católico. Rígido. Tradicional. 88 anos de história. 1h de ônibus. Dois andares. Das 7h da manhã às 12h20.
Todos os dias, Erick descia até a secretaria às 9h: pegava um copo descartável, enchia-o com chá até faltar meio dedo para a borda e contava três colheres de açúcar. Soltava um bom dia para Luzia, a recepcionista, que nunca prestava atenção ao ritual. Subia três lances de escadas. Levava o copo para mim. Em troca, eu o entregava o meu cubo de Rubik embaralhado. A graça era quantas vezes ele poderia resolver o puzzle durante o tempo em que eu tomasse o chá. Certa vez, chegou a sete. Senão o cubo, sentávamos lado a lado e eu o ensinava palavras novas. Palavras tortas, tristes, desnecessárias. O desafio era meu. Eu ainda queria ser escritora e ele dizia:
“Você não possui um corpo, você possui ondas, possui energia, possui acasos; chegou a ler sobre os poetas surreais e abstratos? A espontaneidade e inconsciência me recordam de você.”
Entenda, V., a especificidade do que é o amor e a saudade.
Toda insônia é fundamentada."

— Claudia

shepherdsongs:

I was driving past a business here in the Houston Heights, when I glimpsed this painted on the side of the building. I recognized that iconic WWII poster before I realized it was not just any woman, but 14 year old Malala Yousafzai, the Pakistani girl who was attacked for wanting an education. The words next to her are her quote, ( “I don’t mind if I have to sit on the floor at school.) All I want is education. And I’m afraid of no one.”

(at the Avis Frank Gallery, 1606 White Oak Dr., Houston, TX 77009)

Saturday, 13 Sep, 2014
via ceciliando
fonte shepherdsongs
261,061 notes
Reblogar
shepherdsongs:

I was driving past a business here in the Houston Heights, when I glimpsed this painted on the side of the building. I recognized that iconic WWII poster before I realized it was not just any woman, but 14 year old Malala Yousafzai, the Pakistani girl who was attacked for wanting an education. The words next to her are her quote, ( “I don’t mind if I have to sit on the floor at school.) All I want is education. And I’m afraid of no one.”
(at the Avis Frank Gallery, 1606 White Oak Dr., Houston, TX 77009)
1



Theme